terça-feira, 1 de abril de 2008

Kurt Vonnegut.


Eu tô me preparando para dar um grande golpe na biblioteca da cidade. Mas isso é segredo.

Ontem de tarde eu fui visita-la, fui ver uns livros, só vê mesmo e dar uma lida rápida, já que eu não posso pegar mais livros lá, porque estou com o nome sujo. Ainda bem eles não se lembram mais de mim.

Enquanto eu tentava meter nas calças Tulipa Negra, do Alexandre Dumas, que... bom, me chamou atenção pelo estudo cientifico das Tulipas. A bibliotecaria vinha com um papel na mão procurando A revolução dos bichos do Orwel, para uma aluna. E eu o ajudei a achar, e fui chamado de benção por ela, enquanto eu concertava o livro entre o meu pau e minha virilha sem que ela percebesse.

Um dia, ano passado, uma bibliotecária velha e cinica me viu roubando um livro da escola, ora, ninguém lia mesmo. Ela viu e veio até a mim e disse:

"Você roubou. Você sabe que você roubou o livro..."

Mas resolvir não passar recibo e virar a situação, até que ela recuou com medo, não o medo da possibilidade do livro não ser encontrado realmente na minha mochila_ela me viu roubando e não era louca. Mas sim o medo da esperteza que eu já tinha, de eu ter colocado o livro em outro lugar para me livrar, e ela ficar com a calunia contra um aluno.
Daí, derrepente me tratou como um cristal.
Foi melhor pra ela.

Mas ontem, depois de ter dessistido de Tulipa Negra, somente porque me trouxe brotoejas na parte genital, na sessão de ficção-norteamericana, fiquei entre dois livros muito bons.

Um era do Henry Miller, O tempo dos assassinos, que eu ainda não li. e o outro era do simpático Kurt Vonnegut Romance Pastelão ou solitário nunca mais.

Mais uma vez, uma escolha.

Acabei optando pelo fino humor negro do Vonnegut, porque eu não tava com tolerância de ver o Henry Miller puxando o saco do Rimbaud.

na boa, bicho.

e por falar em saco... Eu nunca tive muito saco para ler o Pedro Juan Gutiérres (a la modinha dos sebos).

Um comentário:

Juka Lordello disse...

O menino que roubava livro.

'na boa, bicho'. Eu te vejo falando isso, enquanto vc tenta manter os olhos, vermelhos, abertos.