domingo, 22 de julho de 2007

Devaneio n° 0


Mas baixo do que eu se localiza meu pau e meus pés, tenho cigarros, e é uma boa noite para escrever. mas não. prefiro dormir, ou ler, ou ler para depois dormir, ou dormir e acordar e ler, ou acordar lendo, adormecer lendo...
Mas não. jamais escrever!
começo expurgando minha tristeza... e ela vai saindo assim como num assobio agudo.. escrever me dá ânimo, e não é ânimo que eu quero hoje.
É, não sei se sabe, mas eu gosto de esmorecer. É porque a tristeza, as vezes, é minha melhor companhia.
Ler é ouvir sem precisar de palavras. É um mudo falando, é um mundo falando.
Sensações...
E hoje, mais do que nunca, eu preciso dos amores felpudos*! Das cidades urgentes!
Não tem mais jeito, eu detesto a realidade, e a lucidez é um caso há muito tempo perdido.


*Amores felpudos ou almofadas. (Vivos, alegria-bicha, cor confortável)

Eu as vezes preciso de cores lisergicas, de conforto e de alegria-bicha que me façam rir sem interesses.
Bucetas de plantão! Pelotão! Avançar! De saco cheio mesmo, esqueça o literalmente e encare.
Saco cheio de porra!

3 comentários:

Juka Lordello disse...

-

Adoro seus devaneios.
Bom num tenho o q falar...
E já estava sentindo falat do devaneio nº 0.

Alex disse...

Pow realmente vc a kda dia me surpreende mais ainda, ou melhor, esse é o Rafa q conheco... sinto falta d vc amigow...

Abçs e meus parabéns pelos belissimos textos

Isa Dora disse...

HAahahahhaha.

Menino, eu tô adorando isso aqui. Mais um belo texto.
P-A-R-A-B-É-N-S!!

Beijos.