quinta-feira, 6 de novembro de 2008

Happy Day

Olha que povo bonito enchendo o buxo no comes-e-bebes do casório.
Quem ta casando é o casal sorridente no centro da foto, parecendo aqueles dois bonequinhos cafonas que ficam em cima do bolo, a vozinha escorada no noivo é uma ideia cheia de humor para as confecções de bonequinhos em cima do bolo de casamento. a vozinha, além de ser muito parecida com a Mamãe _garota-propaganda das redes de farmácia Caroá, é muito espirituosa, ela surrupiou o buquê de flores da noiva egoista e enfiou com uma presilha na sua roupa de veludo azul marinho. A comida parece gostosa, e os pratos são todos iguais, até no lugar de cada alimento, tudo muito organizado, tudo muito formal. A senhora da ponta, mui casta, cometeu o ato falho de reparar se sairia na fotografia a indelicadeza sacana do seu cunhado que esta com os dedos lhe cutucando as costas e ao mesmo tempo sorrindo feito um babaca.
O casal ao lado da noiva-monumento ta rindo do cara da gorda que esta passando do outro lado. sem nenhum escrupulo a moça de oculos purgante e capacete capilar na cabeça faz um comentário infeliz para o marido, e ele com receio que alguem ouvisse e constrangido pelo comentário venenosa da jararaca velha conhecida, sorri sem graça_ como o que lhe restasse, mas mesmo assim não deixa de reparar no cara da gorda que passa. aliás, deixo aqui meu sentimento pelos gordos, gordo tem um cheiro peculiar quando sua, um cheiro azedo; que só o gordo tem. assim como o negro de cabelo duro tem um cheiro fedido, lembro que sempre passava pela porta da casa de uma negra velha quando voltava da escola e sempre sentia aquele odor. inferno, não sei explicar o odor, mas é o mesmo odor que eu ja sentir em alguns outros negros. Sem racismo nenhum, porque eu sou negão e cheiro muito bem.
Para completar a massa de ofendidos por besteiras, contarei uma para criarem de vez o protesto; "negros e gordos, uni-vos!"
uma vez na praia, tinha uma turma de adolescentes retardados e entre essa turma havia uma menina gorda, eu estava de canto vendo o mar, aí um barulho ao lado, uma algazarra. quando eu vi, era a gorda que se chupava com um rapaz até simpático, no maior agarro. A tchurma fazia festa como uns poodles no cio. aí eu pensei:
"Coitada. Ta todo mundo rindo da cara dela. Aposto meu conhaque que eles estão pensando que a gordinha feia se deu bem, e rindo muito excelente disso no mal sentido."
Sem nenhum preconceito contra gordos; o que vale é a beleza interior, não é mesmo?
então.
acredite nisso, e amanhã estará no paraíso.
Mas voltando ao casório e a gente bonita... lá atrás são as pessoas que não foram convidadas para sorrirem na fotografia, o que é muito bom.
A mãe zelosa corta o bife para o filho que ainda não sabe manejar a faca, o pai do menino se esconde com a mão. A mulher da mesa ao lado alarga a boca para enfiar um garfo com um pedaço de toucinho, alarga a boca como se alarga para chorar na hora da angustia.
sem cerimônias para comer, ela e os seus.
Não se falam e nem se olham na sala de jantar.

Clica na foto que aumenta o nariz da noiva-monumento,
que é uma mistura da Fatima Bernades com a extinta Lilia Bifequibe.

2 comentários:

Isa Dora disse...

hauahuahauahuahauhauaauha

hilário, Dom, muito mesmo!

Emanuel disse...

Vc esqueceu de comentar a uva que está embaixo da mesa, perto dos pés do casal da ponta esquerda. Um ato falho crítico seu! hehehehe