sexta-feira, 18 de janeiro de 2008

Cem anos de solidão


Terminei de ler Cem anos de solidão do García Marques numa manhã cheia de pespectiva pra mim, muita coisa poderia acontecer naquele dia, principalmente nada.
Mas, no entanto, finalizei o livro _que me parecia que tomou um século de mim_ (o Gabo tem esse dom, eu digo, de envelhecer as pessoas, por segundo. )
É o seguinte, escola é tudo igual, enquanto a garotada uniformizada e desinteressante enchiam o quadro negro de jogo da velha numa imbecialidade juvenil que só a adolescência permite ter sem você parecer um completo idiota.
Entre gritarias e piculas eu me deliciava com a psicodélia desse livro fantástico.
Em que eu envelhecia como as personagens Úrsula e Pillar Ternera; até o fim da ultima aula eu tinha 142 anos e sabia tudo sobre o amor.

4 comentários:

graze disse...

eu concordo contigo! =]

Anônimo disse...

Muito grato!

ihago disse...

bem vc tem certeza quanto aos imbecis estudantis,mais quanto ao o amor o livro deixou vc numa vontade tremenda de descobrir masi sobre o assunto né!!!!!!

Guilherme disse...

Você é meu amigo - que palavra forte!

Aconselho-te não usar nunca, nem sempre muitas vezes, nem verdade eterna e certeza perpétua... mas é um conselho...

Meu nobre amigo, parabéns. Eu vou pela sua recomendação.